Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2015

Novo governo do PS em Portugal com o apoio dos partidos de esquerda

Muitos portugueses ficaram espantados com a decisão do Partido Socialista (PS) ter optado por se aproximar dos partidos à sua esquerda em vez de apoiar ou simplesmente deixar passar o governo da coligação "Portugal à Frente" (PàF), feita pelo PSD e CDS para as recentes eleições legislativas.

Mas se pensarmos um pouco não é muito difícil de compreender a escolha tendo em consideração o resultado das eleições.

Se confrontarmos o recente resultado eleitoral com o de 2011 chegamos à conclusão da tabela abaixo, onde comparo o número de deputados conseguidos em 2011 e em 2015 por cada uma das formações.   

Partidos e coligações                                     2011 2015
PSD + CDS 132 107
PS 74 86
PEV 16 17
BE 8  19
PAN - 1
Número de deputados 230 230

    

Da tabela acima poderemos concluir que o grande perdedor foi o PSD + CDS que em conjunto perderam 25 deputados, apesar de terem ido em conjunto ao sufrágio, o que lhe trouxe por certo alguns ganhos. Mas o PS apenas conseguiu mais 12 deputados. Então para onde foram os restantes 13 que o PSD e CDS perderam? Como não será de supor que os eleitores perdidos pelo PSD e CDS terão passado diretamente da extrema direita (não nacionalista) para o BE, poderemos concluir que esses eleitores terão votado realmente, na sua maioria, no PS, mas, entretanto, muitos eleitores que votavam tradicionalmente no PS votaram desta vez no BE. Por isso o PS não conseguiu ser o partido ou grupo mais votado em 2015. O BE foi realmente o grande vencedor destas eleições.

Aí está a razão porque o PS preferiu formar um governo, aproximando-se do BE e dos eleitores perdidos na esperança de que num futuro ato eleitoral venham a regressar ao partido de onde sairam.

Mas os deputados do BE não são suficientes para formar uma maioria na Assembleia da República, nem juntando o deputado conseguido pelo PAN. Assim, só restava a solução de incluir também o PEV nas negociações, onde se inclui o PCP. É verdade que o PCP de hoje já não é igual ao de há 4 décadas, já não defende a ditadura do proletariado, nem tem uma URSS como potência de referência, mas é um partido de esquerda bem ancorado pelas forças sindicais mais representativas e não as irá trair. Na realidade, nenhum dos partidos portugueses de hoje são iguais ao que eram há 40 anos atrás. 

Se, porém, o PS tivesse optado pela coligação PàF, iria perder muitos mais eleitores para o BE nas eleições seguintes e ficaria sujeito a tornar-se num pequeno partido, ao nível do BE e do PEV. Entretanto, a oposição seria feita por aquelas duas formações, valorizando-as.

É claro que a opção feita pelo PS irá fazê-lo perder os eleitores mais à direita, mas não deverá ser muito importante até porque o governo PS irá procurar não molestar muito mais a maioria as vítimas de sempre: os pequenos empresários, os assalariados, os funcionários públicos e os reformados. A missão é difícil mas se o conseguir o PS poderá ultrapassar este momento de crise.

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2015

Cimeira do Clima de 2015 em Paris

 

             

 

 

 

Está a decorrer em Paris mais uma cimeira sobre as alterações no ambiente provocadas pela ação do homem, de onde deverão sair importantes decisões e muitas ideias que nos serão depois transmitidas para serem postas em prática, nomeadamente sobre a necessidade de poupança de energia, de maior utilização de energias renováveis e menos poluentes.

Existe, contudo, uma área que é responsável por muita da poluição e do aquecimento do planeta de que ninguém fala, pelo menos em Portugal: a cíclica onda de incêndios nas florestas, em geral provocadas por interesses económicos e frequentemente à margem da lei. E este não é um fenómeno característico apenas do nosso país, porque acontece em muitos outros, como por exemplo na floresta tropical brasileira, africana ou na indonésia. Tudo isto gira em geral à volta dos interesses na exploração das madeiras ou de desmatamento para outros fins. É urgente que incluam este tema nos esforços de luta contra a poluição e aquecimento global.

Pois nunca é referido o necessário combate real e eficaz contra os incendiários que surgem logo que a época é um pouco mais favorável ao desenvolvimento dos incêndios. Populações, bombeiros e forças policiais são unânimes em afirmar que os incêndios não são, na sua maioria, meros acidentes, mas provocados deliberadamente. Porém, nunca se chega é a saber quais os reais motivos que estão na sua origem. Será que os políticos não têm suficiente motivação para combater este tipo de terrorismo? Com frequência a maior parte dos incendiários é associada a doentes mentais ou toxicodependentes, mas, ainda que assim seja, muitos deles agem a mando e pagos por alguém responsável e com interesses bem definidos.

Nem me vou referir à considerável poluição provocada pelas guerras porque esses são casos muito mais difíceis de combater.

A imagem acima foi tirada por um satélite a Portugal em 2003. A quantos escapes de automóvel corresponderam aqueles fogos e qual foi dano provocado no ambiente?

Será que é andando de bicicleta movida a força muscular que vamos salvar o planeta? parece-me que sugerir esse meio de transporte em cidades como Lisboa, Porto e a maioria das cidades portuguesas (em geral situadas em colinas) é completamente absurdo, onde existem alternativas que não passam pela bicicleta. Será para confundir a nossa inteligência que se insiste no uso da bicicleta em cidades com multiplas colinas? Em países sem grandes elevações o uso daquele meio de transporte é viável, mas não em Portugal, salvo raras excessões.

 

 

 

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 18:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Mais um grande incêndio, ...

. DRONES E A LEGISLAÇÃO PAR...

. Polícia de Alfragide acus...

. Incêndio em Figueiró dos ...

. Chegou o calor, chegaram ...

. Acabou o "Zé da Burra o A...

. A RTP já tem mais dois ca...

. A ASCENSÃO DAS MÁQUINAS

. Reunião na ilha de Ventot...

. Portugal está em guerra c...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds