Terça-feira, 31 de Março de 2015

O Desemprego Jovem volta a aumentar em Portugal - Março de 2015

De acordo com as estatísticas oficiais mais recentes, o desemprego voltou a aumentar em Portugal (link), apesar de muita gente estar a atingir a idade da reforma, o maior drama é que nem sequer os lugares que estão ficando livres são disponibilizados para os mais jovens, onde o desemprego é maior, atingindo já oficialmente cerca dos 35% para este grupo de portugueses. Parece que as entidades patronais estão desejando ver-se livres dos empregados que possuem e por isso não substituem os que vão saindo.

A opinião de que os portugueses deveriam ter mais filhos cai assim por terra:

1.º) Porque os portugueses mais jovens, em idade de ter filhos não podem constituir família porque nem sequer têm acesso a um emprego e quando têm o salário é insuficiente para se tornarem autónomos dos pais; ou acabam por emigrar (link). Já terão emigrado 300 a 400 mil jovens que vão procriar lá fora, como é evidente;

2.º) Porque não se vêem melhores perspetivas para as gerações futuras, só irresponsáveis desejariam ter mais do que 1 ou 2 filhos no máximo e apenas devido ao instinto de procriação. Essas crianças irão apenas engrossar um dia, quando crescerem, o número de emigrantes ou de desempregados.

O governo, ele próprio, cria o desemprego quando:  a) aumentou e continua a aumentar a idade das reformas; b) fomenta o aumento do número de horas de trabalho semanal; c) reduz o número de feriados e de dias de férias; d) reduz o número de empregos nas áreas em que é patrão, i.e. na função pública e nas empresas públicas; e nem substitui os funcionários que se vão aposentando. A renovação de uma simples carta de condução chega a demorar 1 ano e mais; e) nas empresas públicas é notório que a redução de trabalhadores pretende tornar as empresas mais atrativas para a sua privatização; f) obriga a que os municípios sigam a mesma lógica; g) não cria leis que obriguem as entidades patronais a admitir os empregados de que necessitam mas obriga a que os trabalhadores a cumpram horas extraordinárias contra a sua vontade, o que é até perigoso e vários casos, como na área dos transportes por exemplo. Obviamente que as horas extraordinárias só deveriam ser permitidas em casos pontuais e não como forma de suprir as necessidades correntes das empresas; h) reduz por lei o preço das horas extraordinárias dos trabalhadores e permite a criação de "bolsa de horas", incentivando também de outro modo o recurso das empresas a esta modalidade, porque o preço aí fica a custo zero. Os funcionários ficam obrigados a gastar os dias em crédito fora das férias que a família deixa de poder programar.

A taxa de desemprego oficial diverge da real e não se aproxima daquela porque o governo utiliza habilidades matemáticas para a reduzir. Por exemplo: quem não comparece nos Centros do Instituto de Emprego e Formação Profissional a atestar a sua condição de desempregado deixa de ser considerado como tal; o acesso aos Centros de Emprego é dificultado por falta de capacidade de resposta, acumulando-se enormes filas de utentes que aguardam a sua vez de serem atendidos levando a que muitos desistam e deixem de contar nas estatísticas. Muitos Centros da Segurança Social também já só atendem com marcação prévia por falta de pessoal; o governo cria cursos para quem quer trabalhar e quem entra neles ou os recusa deixa de ser considerado como desempregado; oferece trabalhos a tempo parcial e, do mesmo modo, quem os aceita ou recusa também sai da estatística de desempregados; os muitos portugueses que emigraram também já não constam nessas estatísticas, como é óbvio.

Por isso, se o desemprego real é muito superior ao oficial e mão me admiraria se fosse o dobro.

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 10:43
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2012

Estatísticas de desemprego e a realidade

 

 

Desemprego. Quando se irá dar a esperada explosão social?

 

Antes de nos debruçarmos sobre a estatística de desemprego há que ter em conta o facto dos sucessivos governos terem vindo a aumentar o número de anos de escolaridade básica, aquela que todo o cidadão tem que possuir para entrar na vida ativa e que já vai nos 12 anos. Como muitos trabalhos não necessitam de qualificações tão prolongadas, a única justificação é a manutenção desses jovens no sistema de ensino e fora do mercado de trabalho para não aumentar as estatísticas de desemprego.

Muitos jovens procuram emigrar logo que terminem os seus estudos superiores porque têm consciência de que ficando por cá não terão qualquer chance nem sequer com uma qualificação superior. Esta nova geração de emigrantes não deseja voltar a viver no seu país, ao contrário da dos anos 60 que desejava voltar o mais rapidamente possível.

O desemprego em Portugal é de acordo com as estatísticas oficiais de 15%, mas toda a gente se apercebe que ele é muito superior (talvez o dobro), porque não considera muitos desempregados e passo a citar:

 1.º) Quando muitos jovens de maior idade deixam de estudar e vão ao Centro de Emprego em busca de um são de novo reencaminhados para o sistema de ensino para a obtenção um curso profissional quando o seu desejo seria o começarem imediatamente a trabalhar. Há casais  que vivem juntos e são reenviados para a escola. O  mesmo acontece a trabalhadores que caem no desemprego, alguns com idades avançadas. São estudantes à força quando queriam trabalhar. É claro que estando a estudar já não se encontram desempregados e é isso que interessa para a estatística;

2º) Outos indivíduos, porque não conseguem um emprego depois de concluirem os seus estudos, procuram eles próprios fazer estágios uns a seguir aos outros, ou tirar outros cursos só para não ficarem desocupados. O desejo destes jovens seria também o de obterem imediatamente um emprego. Não fora as ocupações alternativas e estariam também desempregados;

3º) Os indivíduos que já perderam direito ao subsídio de desemprego, de inserção social e que não acreditam que a sua manutenção nas listas de desempregados do Centro de Emprego lhes vá trazer algum benefício deixam de comparecer nas filas dos Centro de Emprego e de ser também considerados nas estatísticas.

Pergunta: Então porque será que esta geração de jovens sem futuro se mantem tão calma e não reage?

Resposta: Porque ainda têm a “muleta” dos pais ou dos avós que lhes vão permitindo pagar as contas e ir vivendo, mas à medida que esses apoios forem faltando hão de sentir o choque e aí terão que reagir e ou emigram (nem sempre terão sucesso); ou aceitam a nova escravatura: um qualquer trabalho sem horário nem  direitos, que não chega senão para pagar a sopa e que será sempre insuficiente para pagar a casa, a água, a luz, o gás, a saúde, o carro, a eduçação dos filhos, etc; ou caem no crime mais ou menos violento; ou na indigência e na esmola; ou na revolta descontrolada de cariz não político. Acredito que assim seja porque esta geração não tem qualquer orientação política e a maioria nem sequer faz uso do voto. Assim a ira, a raiva e a frustação deverá ocorrer em grupos, por puro vandalismo contra o património: automóveis, casas, estabelecimentos comerciais, mobiliário urbano, transportes públicos; em provas desportivas e outros espetáculos...  

Aliás, eu acredito que se alguma vez houvesse uma surpresa (não credível) e o eleitorado saisse da órbita do PS, PSD, CDS, essas eleições seriam consideradas inválidas...

 

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 14:18
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 5 de Junho de 2010

No Ensino trabalha-se para a estatística

O 12.º ano vai ser em breve a escolaridade mínima obrigatória para todos os jovens portugueses. Todos eles terão que a conseguir sob pena de ficarem marginalizados e ninuém deseja aumentar o número de pessoas “empurradas” para a marginalidade que mais facilmente acabarão por cair na indigência e no crime. Assim, a alternativa será a de facilitar gradualmente a obtenção do 12º ano a todos os jovens, o que é até injusto para os bons alunos que não conseguem ver reconhecido o seu mérito. A passagem do 8.º ano directamente para o 10.º, com exames em duas disciplinas é mais um passo nesse sentido e para que os portugueses "subam" o seu nível de escolaridade. O 12º ano não signifique assim uma melhor preparação para o trabalho e para o seu progresso pessoal e do país. Mas há algumas vantagens: 1.ª) enquanto os jovens andam na escola não andam à busca de emprego nem figuram nas estatísticas de desempregados, o que é bom para essas estatísticas; 2.ª) aumenta-se o nível de escolaridade do país, o que também é bom para as estatísticas; 3.ª) são precisos mais professores no sistema de ensino português o que ajuda à redução do desemprego, o que também é melhor para as tais estatísticas de desemprego. Estamos assim sobretudo a trabalhar para as ESTATÍSTICAS, pois o facto de se exibir hoje um certificado de habilitações com o 9.º, 11.º ou 12.º anos já não dá qualquer indicação às entidades empregadoras sobre as reais aptidões dos candidatos aos empregos que têm para oferecer, assim têm que ser as entidades empregadoras a avaliar essas qualificações. Além disso, a escola pública já não é hoje, em muitos estabelecimentos de ensino público, o local mais aconselhável para que os jovens atinjam os necessários conhecimentos por forma a prosseguirem os seus estudos com sucesso nas universidades, mesmo que sejam jovens inteligentes e interessados, por isso muitos pais, já hoje, por vezes até com algumas dificuldades financeiras, procuram o ensino particular para os seus filhos. O problema é que o ambiente em algumas escolas públicas não é o melhor e essas escolas estão impossibilitadas de resolver os problemas que se lhes deparam e têm que aceitar todos os jovens, bons, maus, interessados, desinteressados, humildes, desordeiros, assidúos ou não. Porque todos jovens são obrigados a frequentar a escola enquanto menores, mesmo que por ela não revelem qualquer interesse, muitos deles andam lá apenas porque o sistema a isso os obriga ou para que os pais não percam o direito ao “Rendimento mínimo de inserção”. Alguns desses jovens utilizam a escola, os colegas e até os professores para se divertirem, gozando-os e boicotando as aulas. As escolas privadas, pelo contrário, livram-se facilmente desses alunos. Há que mudar, de contrário estamos a condenar o futuro dos portugueses a figurar “orgulhosamente” nas estatísticas como sendo dos com mais anos de escolaridade e mais nada.
free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 19:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. O Desemprego Jovem volta ...

. Estatísticas de desempreg...

. No Ensino trabalha-se par...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds