Segunda-feira, 12 de Maio de 2014

O Próximo governo português vai ser suportado por PS/PSD/CDS

Ainda estamos em campanha eleitoral para as eleições europeias, mas elas vão servir para dar uma indicação a todos os partidos sobre a tendência de voto para as seguintes, as legislativas, que serão muito mais importantes. E os resultados deverão dar-nos a indicação de que: nem o PS nem o PSD/CDS coligados terão maioria absoluta, o que só poderá acontecer se se juntarem os três; e irão fazê-lo para que o atual rumo do país seja mantido, continuando com a redução de direitos dos trabalhadores, redução dos salários e das pensões, redução dos apoios sociais e o aumento dos impostos sobre o trabalho e o consumo, tudo em nome do aumento do equilíbrio das contas públicas e da competitividade.

 

Após as legislativas que chegarão em 2015, os três partidos irão encontrar uma qualquer solução, que poderá passar por uma coligação (ou não), por forma a que tudo se mantenha como está. Uma vez mais, muitos portugueses irão acabar por ficar desiludidos porque lhes falta a coragem para democraticamente abandonarem de vez os partidos tradicionais do chamado "arco do poder" que estão no poder alternadamente há 40 anos com os resultados que todos poderemos constatar.

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 20:25
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Março de 2011

PEC - Quem irá pagar?

Passos Coelho terá dito que "não aprovou o pacote de austeridade porque iria impor sacrifícios inaceitáveis aos membros mais vulneráveis da sociedade". Então que diga a quem vai impor sacrifícios para que os portugueses saibam. É que alguém vai ter que pagar a conta.

 

Para o PCP e BE a maior fatia do sacrifício deveria ser paga pelas classes altas, que beneficiaram com a situação que levou à crise, criando imposto especiais sobre os lucros das grandes Empresas, as transações financeiras, as mais valias e as verdadeiras fortunas e bens de luxo, aumentando os que insidem sobre barcos de recreio e aviões particulares, mansões, etc... Também acabariam com o "offshore" da Madeira, passando as Empresas lá sediadas a pagar impostos; Para o PS a maior fatia já foi para a Função Pública (e continuará a sê-lo), para a "classe média", com rendimentos estabalecidos acima dos 1500euros/mês, não deixando de fora os mais pobres, com redução de subsídios de desemprego e outros, cortes na saúde, nas comparticipações de medicamentos, transportes em ambulância. Para o PS não são consideradas necessitadas as pessoas que possuem casa própria, que muitas vezes nem está completamente paga, e mesmo que esteja não a poderão vender porque vivem nela. Mais: há casas de 50mil euros e outras de 1milhão (ou mais). Essas sim, mesmo que sejam habitadas pelos seus proprietários podem ser vendidas e substituídas por outras mais modestas. O PS não faz qualquer destinção e se relativamente aos das mansões de milhões os cortes nas prestações sociais não os atingem, porque não necessitam delas, o mesmo não se passa relativamente aos outros, aos das casas de 50/100/150/200mil que até precisam delas para morar. Nos sacrifícios impostos pelo PS nota-se uma salvaguarda dos mais ricos, os principais visados pelo PCP e BE;  Quanto ao PSD, creio não haver grande diferença do PS quanto aos escolhidos para pagarem a maior fatia da crise, mas quis deixar um "tabu": como diz querer poupar os mais vulneráveis da sociedade, deverá dizer agora quem escolhe para pagar a maior fatia da dívida?

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 09:48
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Março de 2011

Eleições: Nova maioria / Novo Governo

Aproximam-se novas eleições que irão ditar o rumo de Portugal para enfentar a crise criada pelos políticos e economistas do sistema e do arco partidário (PS/PSD). As opções que tomaram para o nosso país foram desastrosas e agora aí temos os resultados. Infelizmente, tudo se perfila para que voltem a ganhar os mesmos que se têm alternado no poder desde há 30 anos. Os meios de informação "opinion maker" têm a máxima responsabilidade nisso e, em consequência, no resultado eleitoral que ditará a escolha dos portugueses. As únicas soluções apresentadas pelos meios de informação (em especial pela televisão) são as do PS e do PSD (como se mais nada existisse), soluções que apontam para um maior aperto de cinto sempre para os mesmos: eliminação de direitos dos assalariados, redução dos salários e das reformas, aumento da idade da reformas, retirada de direitos adquiridos na saúde, educação, apoio social, redução das comparticipações nos medicamentos, aumento de "taxas moderadoras" ilegais porque vão contra a Constituição do país, que diz dever a saúde "SER TENDENCIALMENTE GRATUITA", venda das poucas Empresas públicas que ainda restam, aumento de impostos para pequenos comerciantes e industriais, etc.... Qualquer aumento da comparticipação das Empresas que mais lucram neste país fica sempre excluída, como por exemplo: a criação de um imposto suplementar sobre os lucros dessas Empresas, que até foram privatizadas a preços simbólicos e que hoje dão muitos milhões de lucros para os seus acionistas. As entidades que lucraram com a situação que levou ao despoletar da crise também não são incomodadas.  Todos os partidos situados à esquerda do PS são silenciados e não será por puro acaso. Nem sequer se leva em linha de conta o grande aumento de votação num partido como o Bloco de Esquerda nas últimas eleições legislativas. Porque não apresentam aos portugueses o confronto das soluções dos partidos do sistema (PS/PSD/CDS) com as dos partidos à sua esquerda? Porque os comentadores televisivos são sempre do PS ou do PSD? Porque os debates são frequentemente apenas entre PS e PSD? O que esses partidos pensam já todos os portugueses têm obrigação de saber, eu diria mesmo "de gingeira". Em breve virão as sondagens de intenção de voto, fundamental para a decisão dos indecisos, e que favorecem sempre os partidos como o PS ou PSD e que depois nunca atingem os votos anunciados nas sondagens, levantando-se já a suspeita de que essas sondagens também são pouco sérias. As sondagens deveriam até ser proibídas e são-nos em alguns países, principalmente quando muito em cima do ato eleitoral, porque dão indicação de voto aos indecisos e adulteram a democracia.

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 14:15
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Março de 2011

PEC 4

Eu cá quer-me parecer que o homem não fez aquilo com intenção (não informar antes o PSD e o PR), mas o que deve ter acontecido foi que a senhora Mércules (não sei se é assim que se escreve) que lhe pôs o PEC à frente e lhe disse mais ou menos: "toma lá isto: é para aplicar no teu país".
Qu'é qu'ele podia fazer? vá digam lá???
free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 17:15
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Os partidos políticos também envelhecem, tal como as pessoas, os cães e até os burros...

Os partidos, tal como as pessoas, cães e até os burros envelhecem, por isso, qualquer partido político não será hoje igual ao que era há 20 anos; e há 20 anos já não era o mesmo que há 30; e há 30 anos também já não era igual ao que tinha sido há 40; e por aí fora.... Assim todos os pardidos políticos que temos hoje e que já existiam há 30 anos estão hoje muito diferentes do que eram então: PCP, PS, PSD, CDS estão hoje irreconhecíveis. Na realidade, todos os partidos se deslocaram mais ou menos para a direita, por exemplo:

 

1.º) O PCP que defendia então a ditadura Estalinista e o alinhamento político de Portugal com a URSS; e que preconizava a estatização de toda a economia nacional, o que implicaria o fim dos pequenos e médios comerciantes, agricultores, pescadores, industriais, etc.; já não defende hoje   essa política e é, em muitos casos, um dos seus mais fiéis defensores contra o monopólio das grandes empresas que está a sufocar a iniciativa privada de menor dimensão. Também não acredito que o Bloco de Esquerda defenda estatização total de economia nacional, embora ambos os partidos defendam que setores essênciais deveriam estar nas mãos do Estado, tais como: a EDP, REN, GALP, GÁS, TAP, CP, METRO, ANA, Saneamento, Distribuição de águas, Estradas, Caixa Geral de Depósitos,...

 

2.º) O BE é um partido recente, pelo que a sua evolução se verá no futuro.

 

3.º) O PS está hoje praticamente irreconhecível, se o compararmos com o que foi há 30 anos, quando criou o Serviço Nacional de Saúde GRATUITO E UNIVERSAL PARA TODOS, que diz continuar a defender mas vai desmantelando e sofocando a pouco e pouco, criando espaço para que a saúde dos portugueses (com posses) seja entregue aos privados ou às misericórdias (os restantes), que são a sua esmagadora maioria. Começou por fechar hospitais e maternidades, depois foram os serviços de atendimento permanente (SAP), e por fim os próprios Centros de Saúde, mesmo em locais isolados com populações envelhecidas e sem transporte próprio disponível nem ambulâncias, cujo pagamento deixou de ser pago pelo SNS na maioria dos casos. Enfim, pouco ou nada distingue o atual PS do PSD, para além deste último partido não se sentir tão incomodado em deixar antever a sua intenção de acabar com o SNS UNIVERSAL E GRATUITO.  

     

4.º) O PSD, que, no tempo do Governo de Cavaco Silva, facilitou a reforma a milhares de portugueses mais idosos que tinham ficado desempregados, embora não tivessem completado ainda a sua carreira contributiva, nem tivessem ainda idade legal para a ela poderem aceder; o mesmo partido que concedeu bonificações para a aposentação de milhares de funcionários públicos desde que fossem dados como "dispensáveis" pelos seus superiores hierárquicos, ainda que não tivessem 36 anos de serviço (bastavam então 30 anos para poderem aceder à aposentação por inteiro): agora, poucos anos depois, apoiou o PS no aumento da idade da reforma dos restantes funcionários públicos (incluindo os que já têm 40 anos de serviço) e ambos os partidos se preparam já, para aumentarem de novo a idade da reforma para além dos 65 anos, insensíveis até ao enorme número de desempregados JOVENS que de momento existem.

 

5.º)  O CDS, incomodado com a designação de "CENTRO" intentou já mudar a sua designação para "Partido Popular" mas não teve coragem de levar a termo a mudança de nome, provavelmente com receio de perder uma parte do seu eleitorado que ainda acredita ser o CDS o partido do "Centro". Assim, ficou-se por CDS/PP já há vários anos e vai servindo de moleta para suportar o PS ou o PSD no Governo.  

 

free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 12:16
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

O CRIME VIOLENTO E O SEU (NÃO) COMBATE

Os partidos de esquerda desculpam sistematicamente a criminalidade com a pobreza e o desemprego. Parece terem receio de uma atitude mais enérgica na luta contra o crime. Será que ficaram traumatizados desde os tempos do fascismo? Esta postura está a desorientar o seu próprio eleitorado natural: os mais pobres que são também os mais desprotegidos face à criminalidade. Assim, os partidos de esquerda têm muita responsabilidade relativamente ao crescimento de extrema-direita que têm um discurso bem mais sensato sobre o combate crime. Não me parece que o combate ao crime seja incompatível com a defesa dos mais desfavorecidos que também são as principais vítimas dos criminosos porque não têm guarda-costas nem especiais sistemas de segurança nos seus automóveis nem nas suas casas. Têm fechado centenas de Empresas que têm jogando muita gente no desemprego e na pobreza. Muitos trabalhadores ficam até com muitos meses de salário por pagar. Se o desespero e a pobreza fossem o principal motivo para o crime violento então muitos assaltos partiriam dos grupos de pessoas na mesma situação que se juntam nos antigos locais de trabalho. Durante o antigo regime a pobreza em Portugal era maior do que a actual e a criminalidade violenta era praticamente inexistente. Se a mais pobreza implicasse maior criminalidade, então não teria sido assim. As estatísticas nem reflectem a nossa realidade porque as vítimas já não acreditam na eficácia do nosso sistema de justiça e sabem que os criminosos são rapidamente postos em liberdade, mesmo quando capturados em flagrante delito, ficando as vítimas depois sujeitas a represálias, por isso muitas já nem se queixam. Pela mesma razão, vítimas e testemunhas escondem a face quando são entrevistadas pela televisão. Há alguns anos um Mayor de Nova Iorque decidiu que não se deveria menosprezar a pequena criminalidade nem os pequenos delitos, porque a sensação de impunidade se instala nos jovens delinquentes, estes vão progredindo para infracções cada vez mais graves até que a situação se torna incontrolável. Implementou então a célebre "Tolerância Zero" que, como se sabe, deu óptimos resultados, reduzindo num só ano a criminalidade em cerca de metade. A actual política portuguesa é a de manter os criminosos na rua, mesmo depois de várias reincidências. Acredito que “apenas” seja uma forma de poupar dinheiro ao orçamento do estado, poupança que os cidadãos acabam por pagar ainda mais caro quando ficam sujeitos aos actos dos criminosos, na sua maioria já são reincidentes. Os criminosos continuam impunes e com as suas actividades criminais, subindo o nível dos seus delitos e servem de exemplo para que os mais jovens sigam o caminho da delinquência. Este é o resultado das nossas políticas. Por tudo isto é natural que os cidadãos portugueses (e não só porque esta política não é exclusiva do nosso país) no seu desespero começam a mudar a sua orientação de voto para a extrema-direita que tem um discurso bem mais sensato sobre o problema mas depois são penalizados pelas políticas neo-liberais que visam colocar os custos do trabalho ao nível do extremo oriente e da China e retirar-lhes a pouco e pouco todas as regalias sociais conseguidas durante muitos anos (sobre isto poderá ver um comentário meu em http://bancadadirecta.blogspot.com/2009/07/os-milagres-da-globalizacao-na-cimeira.html). Isso já aconteceu em França…
free counter
publicado por Zé da Burra o Alentejano às 10:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. O Próximo governo portugu...

. PEC - Quem irá pagar?

. Eleições: Nova maioria / ...

. PEC 4

. Os partidos políticos tam...

. O CRIME VIOLENTO E O SEU ...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds